Aldeia Velha de Azevo (Pinhel) – Terá alguma vez José Saramago reparado nesta colina?

Nas três vezes que José Saramago se deslocou a Cidadelhe (***), deve ter observado de relance, ao longe e sem parar, a aldeia de Azevo Velho. Desaproveitou, porque às vezes a prontidão impede-nos por vezes de ver o óbvio. Não é o autor que diz: “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara.” (Ensaio sobre a Cegueira)?
Aldeia é um local fantasmagórico, desabitado, mas com encanto. Quem a vê ao longe, avista ruínas pardacentas, rodeadas por muros toscos e, no topo, uma estranha casa circular que é um moinho adaptado por um emigrante.
O local situa-se no flanco oeste da crista quartzítica da Marofa, à cota de 667 metros. Nesta pequena serra guia, apenas se instalaram na sua cumeada, duas pequenas localidades e em flancos opostos: a que estamos a descrever e a Aldeia Histórica de Castelo Rodrigo (**).
São por isso “manas”, de uma beleza dissemelhante; mas uma lembrada e visitada e a outra completamente abandonada e esquecida mas que também deveria ser recuperada e posta ao serviço do turismo.
É certo que Azêvo Velho, não tem o património erudito de Castelo Rodrigo, mas ao invés tem  outros interesses, como as humildes ruínas vernaculares, as habitações circulares que são francos resquícios castrejos…ou simplesmente a sua paisagem.

Aldeia foi muralhada por rudes mãos temerárias que construíram um “Castelo rural”. Como apenas foi abandonada recentemente, pergunto-me qual seria a razão para os moradores habitarem local tão ermo, sujeito às intempéries de uma Beira climaticamente extremada.
O saque dos Marialvas no concelho de Pinhel
Lembrei-me agora, e peço desculpa porque os viajantes não eruditos têm o direito de especular, que talvez seja lembrança genética do “saque dos Marialvas. Este atingiu quase todo o concelho de Pinhel, e relacionado com ele, existe uma sentença dada por D. Afonso V, em 21 de Julho de 1481 “contra ho Marichall de nossos reynos, e senhor da dita villa de Pinhell, Dom Fernando Coutinho”. Tudo começou com a expedição punitiva que o seu filho, D. Henrique Coutinho, reunindo gente armada, resolveu atacar Azevo, pelo facto de os habitantes do lugar se recusarem a efectuar vigias no castelo de Pinhel. Inebriados pelo sangue e pela sobranceria da sua condição, alastraram a punição ao resto das localidades do concelho de Pinhel e aos gritos de Marialva! Marialva! Roubaram, mataram, destruíram e violaram.
È belo o seu panorama. Para se sentir a sua abrangência repare-se no que diz o Padre Luís Cardoso  no “Dicionário Geográfico” publicado em 1758,“…Aldea, fundada sobre um alto cabeço, donde está a igreja, e se descobrem terras de sete bispados: do de Viseu, da Guarda, de Coimbra, de Miranda, de Braga, de Lamego e do de Ciudad Rodrigo no Reyno de Castela. Avistão-se várias povoações, como a praça de Almeida, Pinhel, Trancoso, Marialva, Meda, Longroiva, Villa Nova de Foz Côa, e outras muitas povoações da Província de Trás-os-Montes”.
Ao redor, nos socalcos de olivais, vinhas e amendoais, coexistem, possantes camadas quartzíticas com a flora local: zimbro, carrascos, azevinhos e giestas.
O topo da aldeia tem sido desfigurado por uma família que adquiriu uma área considerável e que transformou o moinho altaneiro em habitação.
Quase todos os edifícios estão em desmoronamento e, no silêncio da serra e da ruína, consigo evocar a labuta diária, martirizada, dos seus antigos habitantes. O Aldeia Velha de Azêvo constitui com o Bogalhal Velho (*), Cidadelhe (***) e Marialva (****) um belo percurso turístico.

Please follow and like us:

Artigos Relacionados

4 comentários Aldeia Velha de Azevo (Pinhel) – Terá alguma vez José Saramago reparado nesta colina?

  1. Caro Castela:
    Curiosa esta aldeia. Quando vivia na Mêda, avistava da cozinha a Serra da Marofa, que é belíssima especialmente ao amanhecer. Não fazia ideia desse conjunto das aldeias “manas”. Hoje aprendi mais contigo!
    Agora, em relação aos Marqueses de Marialva, eles não eram bem vistos por terras de Pinhel. Ainda hoje há quem fala, com mágoa com o que eles fizerem por lá…
    Abraço, Susana

  2. José Eusébio says:

    Apenas para dizer, espectacular.
    Não sei quem é o autor, mas um trabalho bem feito e muito interessante.
    O interior também tem encanto.
    Obrigado.
    José Eusébio

  3. Luzia Pereira says:

    E mentira que existia um moinho no topo do monte de azevo. Hoje existe uma casa de habitacao em forma de moinho, contruida , numa area de eira.
    Pertence a familia Serra que tem zelado e cultivado a serra da marofa
    Por favor reponham a verdade!

    • Castela says:

      Obrigado pelo seu comentário Luzia. As informações que tinham quando escrevi o artigo e provindos da câmara municipal de Pinhel é que para a construção no topo do monte, tinham sido destruídos alguns imóveis de valor e que existia um moinho, a existência de uma eira, já é património relevante. Como o texto já foi escrito gostava de visitar de novo o local, tendo como cicerone o senhor Serra e de que modo é que tem defendido a serra da Marofa. Mais uma vez obrigado e uma ótima vida para si.

Responder a Castela Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>