Anta do Cortiçó (Fornos de Algodres) (*)-mais umas pedras mágicas na paisagem

O concelho de Fornos de Algodres tem duas antas, ambas em granito e classificadas como Imóvel de Interesse Público: a de Corgas de Matança e a Anta do Cortiçó, ambas alvo de apurada investigação e apresentadas da melhor maneira possível para o viajante. Mas se este apenas tem tempo para visitar uma, aconselho-o a escolher a Anta do Cortiçó, que é notável, pela sua dimensão e por estar mais completa: aqui pode admirar a câmara com 2,5 metros de diâmetro e 3 metros de altura, constituída por oito esteios ligeiramente inclinados para o centro, com monumental chapéu; o corredor apesar de degradado apresenta ainda três esteios; pode ainda presenciar que a mamoa (montículo de terra e pedra que envolvia a estrutura pétrea) se encontra parcialmente visível.

Diz o painel local de divulgação local que “alguns dos esteios da câmara apresenta ainda ténues vestígios de pintura a ocre vermelho”, mas que o meu olhar destreinado não descortinou; talvez o leitor se aqui viesse…
Foi estudado no final do século XIX por Leite de Vasconcelos e ainda recentemente foi alvo de uma intervenção por parte do extinto IPPAR e pela Gabinete de Arqueologia de Fornos de Algodres; descobriram-se algumas pontas de setas, machados de pedra e alguns fragmentos cerâmicos.
Esta anta, como todas as outras, foi construída no Neolítico (4º milénio a.C.) e esta foi ainda reutilizada no Calcolítico (3º milénio a.C.). Para entender o seu significado mágico-religioso pode ler no Portugal Notável o artigo sobre a Anta da Arcainha (*) em Oliveira do Hospital.
É certo que a ignorância é um mal, mas nem por isso é contagiosa, por isso se demanda a região, não deixe de visitar algum do seu espólio arqueológico, principalmente os monumentos mais vistosos, como é exemplo esta Anta do Cortiçó.

Please follow and like us:

2 comentários Anta do Cortiçó (Fornos de Algodres) (*)-mais umas pedras mágicas na paisagem

  1. José l.Encarnação says:

    Visitei recentemente este monumento everifiquei com espanto que tinha sido irremediàvelmente vandalizado. Aproveitando o facto do seu isolamento alguem aproveitou a câmara como forno para queimar isolamento de fios de cobre ,certamente roubados . Portanto os vestigios de policromia detetados pelo prof. Leite de Vasconcelos resistiram a 4000 mil anos dda frequencia de pastores e caçadores mas foram impotentes perante a barbárie do sec.XXI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>