Aqueduto das Amoreiras (Elvas) (**)-Património Mundial da Humanidade

O aqueduto das Amoreiras é um dos cinco os aquedutos notáveis de Portugal – os restantes são:

 

– Aqueduto das Águas Livres (***), em Lisboa

– Aqueduto dos Pegões Altos (**), em Tomar

-Aqueduto dos Arcos do jardim (*), em Coimbra

-Aqueduto da Água de Prata (**), em Évora

A construção do Aqueduto das Amoreiras durou 85 anos

Sabia que…o Aqueduto das Amoreiras é uma obra monumental da autoria do arquitecto Francisco da Arruda e que marca, de forma imponente, a paisagem da cidade de Elvas e que em 2012 foi eleito Património Mundial da Humanidade em conjunto com as fortalezas daquela cidade?

Foi o rei D. João III quem ordenou a sua construção, em 1537, devido aos constantes problemas de falta de água que afectavam Elvas.
As obras de edificação prolongaram-se por 85 anos, sendo interrompidas diversas vezes devido sobretudo ao aumento de custos que sucessivas transformações do projecto original iam gerando. Como se vê o problema da derrapagem das obras publicas não é apenas de agora. A subida de Filipe I ao trono viria a suspender a construção por alguns anos, só retomada no início do século XVII. Em 1610 verificou-se a necessidade de dar mais altura ao aqueduto, para fazer chegar a água até ao largo da Misericórdia. Dez anos depois, corria pela primeira vez a água pelos canais, e em 1622 a obra era dada como terminada, com a conclusão da Fonte da Misericórdia.

Aqueduto das Amoreiras em Elvas é um dos mais belos de Portugal e está classificado como Património Mundial da humanidade

Aqueduto das amoreiras Elvas

Características do Aqueduto das Amoreiras
O Aqueduto da Amoreira prolonga-se por 7790 m com 843 arcos e comporta um conjunto de várias galerias. No primeiro troço, a partir da nascente da Amoreira, estas são subterrâneas, e sobre o vale de São Francisco a estrutura eleva-se, formada por 4 arcadas sobrepostas, perfazendo uma altura de 30 metros. É aqui que a monumentalidade do aqueduto adquire maior visibilidade, mas não devemos secundarizar a riqueza técnica e formal de todo o seu percurso.
Imposto Nacional para custear o Aqueduto das Amoreiras
Para se construir o Aqueduto das Amoreiras pediu-se um imposto às populações locais sobre as canadas de vinho e os arráteis de carne e peixe, e que foi chamado de Real de Água.
A monumental cisterna de Elvas
A auto-suficiência de abastecimento poderia facilmente ser posta em causa com uma interrupção do aqueduto. É precisamente para evitar esse risco que, perante novas ameaças militares, foi construída uma monumental cisterna, que poderia armazenar água para 4 meses de cerco, em caso de ruptura de abastecimento. A cisterna projectada por Nicolau Langres, à prova de bomba e que recebe a água do aqueduto, é uma obra notável e também ela indissociável do Aqueduto das Amoreiras.

Aqueduto das Amoreiras em Elvas é um dos mais notáveis de Portugal

aqueduto das amoreiras

Num mundo imediatista que esquece a importância do passado na qualidade de vida no presente, mas muito principalmente a qualidade de vida das gerações futuras, eis a lição que o povo de Elvas nos deu tão bem plasmadas por Ramalho Ortigão.
“Várias gerações acarretaram para essa construção os materiais e lentamente, pacientemente, foram colocadas pedra sobre pedra, para que um dia a água chegasse a Elvas, e bebessem dela os netos dos netos daqueles que de tão longe principiaram a recolhe-la e a canaliza-la. Uma tal empresa é a humilhação e vergonha do nosso tempo, incapaz de pagar com igual carinho ao futuro aquilo que deve a previdência, aos sacrifícios e aos desvelos do passado”.
Onde dormir: Quinta de Santo António (estrada entre Barbacena e Elvas)

Ver mapa maior
Onde comer: Restaurante o Golo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *