Paisagem em Bogalhal Velho (Pinhel) (*)- Local de esquecimento ou reencontro?

Existem locais belíssimos em Portugal e completamente alheados dos roteiros turísticos, estão perdidos algures na bruma dos tempos e caíram no esquecimento. É o caso deste cenário grandiloquente de Bogalhal Velho.
Um exemplo é a aldeia medieval abandonada de Santa Maria de Porto de Vide, vulgarmente conhecido por Bogalhal Velho. É um sítio solene de imensa beleza paisagística.
Ao chegar deparamo-nos com as ruínas poéticas de uma povoação, que teve alguma importância medieval, rodeada de matagal, tendo apenas em pé o esqueleto gótico da igreja (típico dos templos medievais na região), vestígios de habitações e muros.

A localidade deverá ter sido abandonada no final da idade média, à semelhança do que sucedeu com a povoação vizinha do Castelo de Monforte (Figueira de Castelo Rodrigo); e poderá ter sido um ponto estratégico na defesa do Reino antes de Alcanices. No tempo histórico a zona da raia beirã, devido a sua periferia, ao seu clima extremado e às desavindas com o reino vizinho, sempre foi repulsiva à ocupação humana durante a nossa nacionalidade.
No entanto a beleza do lugar e a existência de uma igreja, possibilitou que o sítio continuasse a ser frequentado por procissões anuais durante mais algum tempo- que são sempre o último estertor de uma povoação que morre. Depois até aquelas cessaram e o local foi esquecido, até que o edil de Pinhel, em boa hora, e já no século XXI, tornou possível a sua acessibilidade.
A aldeia está assente num cabeço granítico, com 500 m de cota, e poderia ter sido um crasto fortificado. Tem como limite Este uma intransponível escarpa granítica, escavada pela Ribeira das Cabras, no restante perímetro, provavelmente seria rodeada por muralha.
A Ribeira das Cabras e o Côa em Bogalhal Velho
É notável o vale encaixado da Ribeira das Cabras, que tem aqui a sua foz no rio Côa. O desnível altimétrico chega a atingir os vertiginosos 110 m.
A norte deambula o mágico rio Côa, alojado no sopé da Serra da Marofa, preparado para romper a forte muralha quartzítica e mais tarde romper pelo canhão fluvial em Cidadelhe (***) (esta aldeia é um dos locais mais belos de toda a Beira Interior). A serra, que é a bússola da região, surge com o todo o seu esplendor, desde Santo Antão até ao alto da Marofa (**).
Aqui sente-se o ambiente bravio mediterrâneo e pensa-se na complexidade geológica; vêm-se agitadas aves crocitantes (estamos em área da Rede Natura 2000) que cortam os céus e ouve-se o ruído da água ao fundo em enlace com a rocha… e o abismo, para sempre em atracção perpétua. É um local obrigatório para quem faz turismo em Pinhel.

Please follow and like us:

Artigos Relacionados

4 comentários Paisagem em Bogalhal Velho (Pinhel) (*)- Local de esquecimento ou reencontro?

  1. santos gama says:

    Sensibilizado por ler e ver a foto do Bogalhal Velho.
    Passei por lá algumas vezes em pequeno com meu tio Carlos Gama, à caça das perdizes ou a caminho da Ribeira das Cabras para colocar as redes a fim de apanhar peixes. O meu avô, nessa data já estava doente . Diziam-me nessa altura que os habitantes tiveram de abandonar o local dado que os lagartos atacavam as crianças. Tem alguma informação sobre isso?
    Eu sou natural de Malta- Pinhel e gostava de ter mais informações sobre a revolta de Souro Pires (Serpentina) contra o exército de Junot e Laison o célebre maneta que a pilhou e incendiou na 1ª Invasão francesa. Se tiver algo pode disponibilizar- ma?

  2. Susana Falhas says:

    Castela: Não conhecia esta aldeia tão perto de Mêda! Por vezes a divulgação local falha…Tenho muito a aprender contigo! Consegues mostrar o nosso verdadeiro tesouro e a tua paixão pelo nosso país!
    Parabéns pela postagem!
    Susana

  3. Manuel Joaquim Guerra says:

    quanta saudad do meu Bogalhal velho, quando jovem frequentei muito essas ruinas ainda com dois arcos e o altar, mas os detruidores de nossas memorias detruiram parte dessas riquezas naturais, mas mesmo assim aida nos faz reviver um passado remoto;
    salve Santa Maria do Porto da vid, que sua imagem ainda garante sua prasença na velha igreja do bogalhal, onde eu fui batizado, depois de sessenta e um anos de Brasil
    ainda guardo na mente sua imagem e no coração uma imensa saudade
    Praia grande, 10 de Dezembro de 2011 estdo de Sã Paulo Brasil

  4. Rui Fonseca says:

    Manuel Joaquim Guerra

    Os dois arcos ogivais nas ruínas ainda lá se encontram; um na frontaria que dá entrada para o nártex e outro que liga o corpo do edifício para o altar mor.

    Cumprimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>