Capela do Calvário em Amieira do Tejo (Nisa) (*)- Conhece em Portugal mais alguma talha barroca em pedra?

Capela do Calvário em Amieira do Tejo (Nisa) (*)- Conhece em Portugal mais alguma talha barroca em pedra?

Para além do belo Castelo da Amieira do Tejo (**) existe aqui outra obra de arte significativa que valoriza o concelho de Nisa. Falamos da capela do calvário, que está classificada como Imóvel de Interesse Público e tem no seu interior uma obra de arte original em Portugal.
Sobranceira a Amieira do Tejo com seu notável castelo (**) (localidade desde 1332 pertencente a Ordem do Hospital) a Capela do Calvário tem uma implantação distinta sobre a localidade, cumprindo assim com as premissas da sua invocação.
O templo que hoje existe não é o original, pois há notícias de um outro, derrubado no começo do século XVIII, para dar lugar ao existente. Este foi edificado em 1740, pois tem na cartela da porta de entrada a referência a data e ao mecenas: Esta igreja mandou fazer Pedro Vaz Caldeira. Ano 1740.
A arquitectura maneirista-barroca da Capela do Calvário
De nave única, a capela do Calvário da Amieira tem uma planimetria e dimensões, anómalas para este tipo de templos.
No seu estilo barroco e erudito, e devido a sua parcial depuração, ainda faz lembrar os monumentos maneiristas de forte matriz italianizante do Convento de Mafra.

Nas fachadas laterais, realça-se o conjunto de óculos que iluminam diretamente a nave”1.
Todo o conjunto irradia uma serena harmonia bem integrado na paisagem.
É este o único retábulo-mor barroco de granito em Portugal?
Mas o que faz com que a capela do Calvário possa fazer parte do Portugal Notável, é, no interior de nave única, aquele magnífico retábulo-mor de granito a imitar madeira entalhada, a que não falta as habituais colunas vigorosamente trabalhadas, em numero de três tendo como cenário de fundo, o céu com a pedra almofadada irregularmente a imitar nuvens. Fecha em escudo o único retábulo-mor barroco de pedra em Portugal. O enquadramento cénico serve de cenário a um belo cristo crucificado em madeira, já existente aquando da construção da capela, com Maria e Maria Madalena, de dimensão mais reduzidas e executadas por outro autor, a enlevar o olhar para o ente que sofre e morre.

Capela-do-Calvário-Amieira-do-Tejo

As Jans fiadeiras mágicas invisíveis de Amieira do Tejo

2-“Adjacente a capela do Calvário,  chama a atenção à escultura contemporânea de Carlos Henrich em homenagem às Jans (2003)

O património imaterial de Amieira do Tejo traduz-se na lenda das Jans, fadas tecedoras de linho. A verdade é que nas casas mais antigas da vila as peças de roupa e lençóis antigos eram de um linho tão fino que se dizia ser tecido por fadas, uma fadas que visitavam as casas de noite, tendo as senhoras deixado nas chaminés um bolo a cozer e junto a este o linho que pretendiam ser decido pelas Jans. Na manhã seguinte o bolo teria desaparecido e o linho estava já fiado, urdido e tecido em finos trabalhos. Diz ainda a lenda que essas peças de linho não podiam ser usadas para ir à igreja. Também para a passagem do corpo defunto da Rainha Santa Isabel, que terá atravessado o rio usando as barcas de Amieira do Tejo, as Jans teceram uma fina túnica para a sua viagem final até Coimbra!”

Referências adicionais:
1- Inventário do Património classificado -IPPAR, volume II, 1993

2- Eis um belo blog de viagens de Miguel Antunes e a fotografia das Jans é retirada do mesmo.

http://www.cadernobymiguel.com/2019/10/amieira-do-tejo-um-castelo-e-uma-lenda.html.

3- A fotografia do retábulo é de Domingos Belo.

Um comentário Capela do Calvário em Amieira do Tejo (Nisa) (*)- Conhece em Portugal mais alguma talha barroca em pedra?

  1. kk says:

    Estou a fazer um trabalho sobre monumentos barrocos em cascais pr favor alguém me pode enviar mais informações para este site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>