Friday, August 22, 2014

Top ten do turismo de Miranda do Douro

Top ten do turismo Miranda do Douro

A cidade de Miranda do Douro em Trás-os-Montes é o local mais visitado pelos turistas do distrito de Bragança, tanto por portugueses como por espanhóis. Miranda do Douro é indubitavelmente uma bela cidade, a “Cidade  Museu”, assim designada como marca turística, mantém alguma traça medieval e renascentista. O clima do concelho é de tal forma áspero, que é comum dizer-se que “Em Miranda há nove meses de Inverno e três de Inferno”, mas somos afeitos a tal apreciação, porque na Primavera o Planalto Mirandês enche-se de colorido e fragrância em amena temperatura. Miranda do Douro é ainda o concelho onde o rio Douro entra em Portugal e escava profundo canhão granítico e nas suas margens existem vestígios de vários castros originais, é ainda nesta região, que além do português, se fala uma outra língua: a língua mirandesa. O visitante que chega ao concelho de Miranda do Douro pode desfrutar de um património natural autêntico, onde ainda existem áreas com santuários de flora e fauna de qualidade. O concelho de Miranda do Douro caracteriza-se por ser eminentemente rural em que aqui viu frutificar várias raças pecuárias de muito valor como a Bovina Mirandesa (de onde se faz a famosa Posta, candidata a uma das maravilhas gastronómicas de Portugal), a churra Galega Mirandesa e o Burro Mirandês. Por tudo isto e muito mais Miranda do Douro merece o desvelo de todos os portugueses.

miranda do douro 235x300 Top ten do turismo de Miranda do DouroLocais Notáveis do Concelho de Miranda do Douro
1-Centro Histórico de Miranda do Douro (**)
2-Sé de Miranda do Douro (*)
3-São João das Arribas (**)
4-Castro de Vale da Águia (*)
5-Castro de Cigaduenha em Picote (**)
6-Passeio no rio Douro (a partir de Miranda do Douro) (**)
7-Panorama da Penha da Torre na Paradela (*)

E ainda:

8-A língua mirandesa

9-Os Pauliteiros de Miranda

10-O gado mirandês

Outros locais com interesse turístico
-Igreja românica das Malhadas
-Barragem de Picote
-Verraco da Picote

Castro de Vale da Águia (Miranda do Douro) (*)-Tempos de guerra no Planalto Mirandês?

Depois de termos descrito as Arribas de São João em Miranda do Douro, passemos agora ao Castro de Vale da Águia, próximo daquele, mas menos conhecido, mas também empolgante.
O Castro de Vale da Águia localiza-se a 680 m de altitude e encontra-se protegido por um meandro magnífico do rio Douro; alias a falésia deste lado é inexpugnável. Aqui o granítico canhão fluvial vai servindo de fronteira entre Portugal e Espanha.

castro vale da aguia 1 300x224 Castro de Vale da Águia (Miranda do Douro) (*) Tempos de guerra no Planalto Mirandês?O Castro de Vale da Águia com uma área de 1,5 ha e de feição aproximadamente quadrada é constituído por uma muralha de granito, que cobria só os lados não defendidos pelas falésias do Douro, estando reforçada por dois bastiões circulares. Diante dela, havia três campos de pedras fincadas, dos quais se conserva bem ainda um, flanqueando a porta de entrada do castro. O material recolhido indica uma ocupação na Idade do Ferro. Durante a ocupação romana o local deve ter sido abandonado, no entanto a existência de uma estrada medieval próxima pode permitir inferir que o local foi tendo alguma importância estratégica porque perto passa a estrada medieval Porto/Miranda/Zamora/Valladolid.

castro vale da aguia 300x225 Castro de Vale da Águia (Miranda do Douro) (*) Tempos de guerra no Planalto Mirandês?
Tempos de guerra no Planalto Mirandês?
Entre o 4º milénio e o 1º milénio a.C., os povoamentos estavam instalados no Planalto Mirandês, mas algo aconteceu e a partir do Bronze Final, e durante toda a Idade do Ferro, até a vinda dos romanos, os povos tiveram uma necessidade premente de ocupar intensamente as margens abruptas do Douro para estarem melhor protegidos de ataques beligerantes, com forte reforço de cercas defensivos nas zonas mais frágeis. A vida seria mais hostil mas mais segura. O que temiam estes homens que passaram a habitar inóspitos incastelamentos castrejos?
Assim uma linha de muitos castros, de reduzida dimensões, instalados magnificamente numa grandiosa paisagem telúrica, bordeja o rio Douro, em ambas as margens (o grande castro nesta região seria o de Cidaguenha em Picote-que ainda não visitámos). O rio Douro, já neste tempo servia de fronteira entre os povos dos Zuelas na margem portuguesa, e a dos Vetões no lado Espanhol, ambos adoradores de Berrões.
Que a nossa imaginação se agite perante tanto mistério bélico e beleza paisagística. O que terá aqui acontecido no primeiro milénio a.C?
Agradecimentos: O Portugal Notável esteve alojado no Solar dos Marcos (Bemposta-Mogadouro) e visitou o Castro Vale da Águia, a convite deste ótimo Hotel Rural que apoia o turismo cultural.

São João das Arribas (Miranda do Douro) (**)- Memórias de Emílio Baleso

As Arribas de São João em Miranda do Douro, na freguesia da Paradela, localidade mais oriental do território nacional, são um dos miradouros mais conhecidos do Parque Natural do Douro Internacional. No Portugal Notável já foram descritos vários locais notáveis desta magnífica Área Natural:
-Calçada de Alpajares (Freixo de Espada a Cinta) (***)
-Miradouro do Carrascalinho (Freixo de Espada a Cinta) (*)
-Miradouro do Alto do Pirocão (Freixo de Espada a Cinta) (*)
-Miradouro do Colado (Freixo de Espada a Cinta) (*)
-Cavalo de Mazouco (Freixo de Espada a Cinta) (*)
-Penedo Durão (Freixo de Espada a Cinta) (**)
-Arribas de Santo André (Figueira de Castelo Rodrigo) (*)
-Barragem de Santa Maria de Aguiar (Figueira de Castelo Rodrigo) (*)
-Miradouro do Alto da Sapinha (Figueira de Castelo Rodrigo) (*)
-Paisagem em Barca de Alva (Figueira de Castelo Rodrigo) (*)
Um pouco de história das de São João das Arribas
Não é apenas o impressionante alcantilado talhado sobre o rio Douro que forma um grandioso canhão, porque muitos são os turistas, principalmente espanhóis que aqui passeiam a mirar e a revoltear as pedras, porque aquilo que vêm, apesar de muito remexido ainda tem valor arqueológico. Vejamos então o que eles procuram.
As Arribas de São João, nas margens do canhão fluvial do rio Douro, foram um antigo povoado fortificado Zoela da idade dos metais (Bronze final e/ou a primeira idade-pelo menos é desta época o material que se encontrou) que continuo com ocupação importante na época romana.
O povoado ainda hoje perceptível tinha uma área de 2 ha, com forma circular. A muralha formada por pedras de granito, cortou o isto de Sudoeste a Nordeste, que tinha acesso ao Planalto Mirandês, com uma linha de muralha, reforçada na porta de entrada, que era protegida por um monumental baluarte triangular, e nas áreas mais sensíveis por paramentos, o que reforça as suas excepcionais defesas naturais; estas naturalmente mais seguras nas margens do rio Douro, que aqui teriam um desnível brusco vertical de mais de 150 metros, em todo o seu flanco a nascente.

são joão das arribas1 300x224 São João das Arribas (Miranda do Douro) (**)  Memórias de Emílio BalesoA Emílio Baleso porta bandeira da Ala Sabiniana dos reconhecimentos da centúria
A existência de abundantes inscrições romanas, uma delas em honra de um militar- Aemilius Balaesulus, que participou como porta-estandarte da Ala Sabininia, nas conquistas da Bretanha, com o Imperador Adriano na primeira metade do século II d.C. (sim, o mesmo do romance de “As memórias de Adriano”). Assim se prova a participação dos Zoelas no exército romano, dos quais fala Plínio, a propósito da qualidade do seu linho.
Actualmente no primeiro dia domingo de Maio fazem-se importantes festividades com procissão e missa campal. No resto do ano, São João das Arribas, é visitado por muita gente de bom gosto que fica espantada por esta paisagem magnífica.
A Paisagem de São João das Arribas
Esqueçamos um pouco a história, repare na paisagem em seu redor. São granitos com mais de 320 milhões de anos, que formam afloramentos rochosos, bolas de pedra arredondadas aqui e ali, onde, inesperadamente, nascem, fortes, as carrasqueiras. E há ainda os zimbros, os carvalhos, os negreiros, os freixos, vegetação típica de um clima mediterrânico de forte continentalidade.
E se procura emoções fortes- frua mas com tento, o espantoso geomonumento granítico de paredes abruptas esculpido pela acção do Douro nos últimos 2 milhões de anos-são as famosas arribas do Douro. Estas suavizam-se muito quando o rio Douro, em vez de granito (rocha mais dura) tem que furar o xisto (rocha mais branda).
Por aqui esvoaçam patos-reais, corvos-marinhos-de-faces-brancas e a Garça- real, enquanto que acima do horizonte é comum detectar o vôo tranquilo da Águia-real, do Grifo, do Abutre do Egipto e da Gralha-de -bico-vermelho.
Mas não se deixe enganar pela beleza, porque se apenas estiver embebido por esta e não tiver cuidado pode ir fazer companhia ao Aemilius. Ao falar em romanos, vamos cessar com uma frase das Memórias de Adriano” tão gratas aos viajantes “O nosso verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar de inteligência sobre nós próprios.” Provavelmente terá aqui acontecido a muitos de nós, as Arribas de São João merecem-no.

Agradecimentos: O Portugal Notável esteve alojado no Vileira (Vimioso) e visitou as Arribas de São João em Miranda do Douro a convite deste Hotel e magnífico restaurante que apoia o turismo cultural.