Monday, July 14, 2014

Ponte Romana de Vila Formosa (Alter do Chão) (**)- A mais monumental ponte romana de Portugal

O Alentejo é realmente maravilhoso na primavera – desculpem a banalidade da afirmação, e este mês aproveitei para dar aqui uma escapadela; aproveitamos para visitar ponte romana de Vila Formosa, sobre a ribeira da Seda, que é a mais monumental e conservada ponte romana em Portugal, talvez a par da de Chaves.
A ponte romana de Vila Formosa integrava a relevante estrada romana que ligava Lisboa (Olissipo) a Mérida (Emérita Augusta- capital da Lusitânia).
Tem um comprimento onde assenta um tabuleiro de perfil horizontal com 116,50m de comprimento, por 6,70m de largura. O tabuleiro é apoiado em pilares de pedra que sustentam 6 grandes arcos de abóbada perfeita. É dotada de olhais, utilizados por pontes romanas de maiores dimensões para permitir a vazão da água aquando de cheias violentas. Apresenta ainda silhares almofadados e tabuleiro plano com pavimento com grandes lajes.


Abaixo das guardas apresenta uma cornija em todo o comprimento, elemento que a montante intercala com gárgulas. A sua regularidade, o aparelho almofadado e as marcas do fórfex, visíveis em todo o monumento, tornam-na uma típica obra de engenharia romana, de grande beleza a que acresce o seu bonito enquadramento paisagístico.
Os mestres, para além dos instrumentos manuais com que trabalhavam a pedra, conheciam as alavancas, as roldanas e os fórfex (tenaz em ferro para içar e movimentar as pedras), já utilizados pelos egípcios, e pelos gregos nas suas grandes construções (pirâmides e templos).
A ponte romana de Vila Formosa manteve, até há pouco tempo, o seu funcionamento e importância na circulação viária da zona, na estrada que liga Alter do Chão a Chança e Ponte de Sor, tendo sido construída entre os finais do século I e inícios do século II d.C..

ponte romana vila formosa 2 300x160 Ponte Romana de Vila Formosa (Alter do Chão) (**)  A mais monumental ponte romana de Portugal
Estas vias, importantes para a defesa e desenvolvimento do Império Romano; eram utilizadas para o transporte de colunas de legionários; mercadorias e cereais entre as várias partes do Império e Roma.
A ponte é muito semelhante a ponte romana de Salamanca.
A Ponte Romana de Vila Formosa está classificada como Monumento Nacional desde 1910.
A ponte romana de Vila Formosa é hoje um lugar ideal para relaxar, passear e namora e uma vez que leu o texto até aqui aproveito para lhe aconselhar a visita a Casa da Medusa em Alter do Chão, com seu excecional mosaico romano de Eneias, mas que ainda se encontra protegido enquanto se espera a colocação de cobertura apropriada. Espero que muita agua não passe debaixo da ponte. As belezas de Alter do Chão viciam!

Pode aqui ler sobre uma lenda da Ponte.

César, Virgílio, Joviano, António e o Mosaico mais Belo do Império Romano descoberto em Alter do Chão

Um mosaico romano de características únicas foi encontrado em Alter do Chão. É do século IV e representa o último canto da Eneida. Vai poder ser visto a partir de 21 de Maio de 2009.
Caio Júlio César Otaviano Augusto, em Roma, precisava de consolidar o seu poder. A república tinha-se transformado em império, em 23 a.C., e, para o manter unido e submisso, era importante criar uma mitologia, uma epopeia e uma crença na natureza divina do poder imperial. César chamou um poeta com provas dadas, Virgílio. Ou melhor: pediu a um amigo, também seu conselheiro e agente diplomático, muito rico e que gostava de apoiar as artes, um mecenas, que falasse com Virgílio. O mecenas que, não por acaso, se chamava Mecenas, pagou ao poeta para escrever uma obra melhor do que a Ilíada e a Odisseia juntas. No ano 19 a.C., o mesmo em que morreu, Virgílio compôs então a Eneida, um poema épico em 12 cantos que começa, mil anos depois, onde a Ilíada termina – a queda da cidade de Tróia. Os primeiros seis cantos da Eneida, aliás, emulam a Odisseia, em termos de enredo e também na forma, enquanto a primeira parte da obra imita a Ilíada. Tudo junto, garantia Virgílio, superava a obra de Homero. Mas não a ignorava. Através de um sistema de referências a que os literatos chamam intertextualidade, alimentava-se dela. São comuns algumas personagens, bem como locais e eventos, para que ao leitor que conheça a Ilíada e a Odisseia esteja acessível uma fruição superior da própria Eneida. Ao contrário do que se passa na Odisseia, protagonizada por um grego (Ulisses), o herói da obra de Virgílio é Eneias, um troiano que, a pedido da sua ilustre mãe, foge, após a destruição da cidade pelos gregos, com o objectivo de erguer uma nova cidade, uma nova Tróia, que será Roma. Eneias era um rapaz de boas famílias: o pai era Anquises, um príncipe troiano, mas a mãe era nada menos do que a deusa Vénus, que tivera com o mortal Anquises uma aventura extraconjugal. Também estava muito bem relacionado: o seu escudo foi construído por Vulcano, marido de Vénus e deus do fogo (à semelhança do que acontece com o escudo de Aquiles, na Ilíada), frequentava a casa de Plutão, o guardião dos Infernos, e aconselhava-se regularmente com Júpiter, o deus dos deuses. Após muitas peripécias, guiado por um oráculo, Eneias chega à Itália. Aí, tem de combater o rei dos rútulos, Turno, a quem tinha sido prometida a mão de Lavínia, filha de outro líder local, Latino, rei dos latinos. Mas um oráculo aconselhara Latino a aceitar como genro um guerreiro estrangeiro. Eneias conta então com a ajuda de Latino e, protegido com o escudo forjado por Vulcano (onde estão gravados todos os acontecimentos da futura História de Roma), e aconselhado por um génio do rio Tibre, vence, numa luta corpo a corpo, o rei Turno. Tombado no chão, este implora pela sua vida, mas Eneias, após um momento de hesitação, trespassa-o com a espada. Desposa Lavínia, e o seu filho Ascânio, neto de Anquises e Vénus, será o avô dos futuros reis de Roma, que assim vêem garantida uma linhagem divina e uma História mítica, ligada aos gregos e aos povos da Itália. Virgílio cumpriu a sua missão, o imperador César Augusto ficou satisfeito.

Alter do chao mosaico 300x247 César, Virgílio, Joviano, António e o Mosaico mais Belo do Império Romano descoberto em Alter do Chão

Mosaico Romano da Eneida

A Descoberta de Alter do Chão
Jorge António encontrou primeiro a cabeça de uma estátua de mármore representando uma rapariga. O penteado, em longas tranças puxadas para trás e apanhadas em rabo-de-cavalo, denuncia a moda da sua época. Basta averiguar quando se usava aquele visual feminino, e saberemos a que período pertence a estátua. Foi isto que pensou Jorge António, que é natural de Faro e arqueólogo da Câmara Municipal de Alter do Chão. Uma coisa era certa: a presença da escultura era sinal da existência de uma casa muito rica, uma verdadeira domus. Até agora, já tinha sido descoberta a base de uma outra estátua, de Apolo, perto de uma zona de balneários termais, daquela que terá sido uma importante cidade romana e está hoje soterrada sob a vila alentejana de Alter do Chão. A cidade chamava-se Abelterium e começou a ser escavada em 1954. A estação arqueológica desenvolveu-se na área entre o campo de futebol, uns terrenos pertencentes à coudelaria, e o pavilhão desportivo que viria a ser construído. Tornou-se perfeitamente visível a zona do hipocausto, onde o ar aquecido por uma fornalha de lenha circulava por baixo do chão, a do frigidário, onde corria água fria, a zona de massagens e a latrina comunitária. No decorrer das escavações, surgiria também a necrópole, onde, a julgar pelo luxo dos objectos depositados junto a cada corpo, estariam sepultados os elementos da elite da sociedade romana da época. Tudo levava a crer, portanto, estar-se na presença de uma grande cidade – uma civitas, e não um simples vicus (povoado).Jorge António, 38 anos, trabalha a oito na Câmara de Alter do Chão. Concluíra a licenciatura em História e Arqueologia na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa e estava desempregado. Enviou um currículo para a Câmara de Alter e conseguiu o lugar. Logo nesse ano de 2001, elaborou um projecto para a Estação Arqueológica de Ferragial d’El Rei, que só viria a ser aprovado em 2004.

Foi nessa altura, com alguns apoios financeiros, que se iniciaram os trabalhos. No seu Gabinete de Arqueologia, instalado em duas salas do edifício do Cineteatro de Alter do Chão, Jorge armazena, organiza e estuda os achados dos últimos anos, distribuídos por caixas rotuladas – “Fragmentos de estuque”, “Elementos de adorno”, “Cerâmica comum”, “Moeda”, “Vidro”, “Aplicações para mobiliário”, “Têxteis”, “Lazer”, “Iluminação doméstica”… Sobre uma mesa, o esqueleto quase completo de um homem, sepultado há cerca de 1500 anos. Tinha 1m e 62 cm de altura, entre 40 e 49 anos à data da morte, e era rico. É o que se sabe sobre ele. Com estes elementos, e mais alguns fragmentos de estátuas, de frescos, de paredes, Jorge António ia imaginando a cidade que existiu naquele lugar, e que, a julgar pelos vestígios, nunca foi propriamente abandonada, até hoje. Terá havido uma continuidade de ocupação, desde as povoações pré-romanas, as visigóticas, árabes, cristãs, até ao castelo, construído em 1349 por D. Pedro, e à actual vila de Alter do Chão. Mas foi há um ano e meio que fez a grande descoberta.

mosaico 300x217 César, Virgílio, Joviano, António e o Mosaico mais Belo do Império Romano descoberto em Alter do Chão
O último canto de Eneida representado no mosaico
O mosaico Perto do local onde encontrara a cabeça feminina, em mármore, viu surgir a figura de Eneias, composta em minúsculas tesselas de calcário colorido e outras de pasta vítrea, azuis, verdes e amarelas. Foi alargando a área exposta e trouxe à luz o imenso mosaico, de 53 metros quadrados, constituído por uma moldura geométrica e uma zona figurativa de inédito esplendor. Eneias, com o seu penacho característico, quebrado por ter sido atingido por uma lança. Dos dois lados do painel, frente a frente, guerreiros gregos e frígios, definidos pelos respectivos capacetes. Entre as duas hostes, um medalhão com a figura da Medusa. Ao centro do painel, prostrado aos pés de Eneias, o rei Turno, implorando pela sua vida. Em baixo, à direita, a figura de Vulcano, cuspindo fogo, e à esquerda a do génio do Tibre, de cujo jarro verte a água do rio, representada em tesselas de pasta vítrea azul e verde.”A cena representa o último canto da Eneida”, explica ao Público Teresa Caetano, investigadora do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa e da Associação de Investigação e Estudo do Mosaico Antigo e da Associação Portuguesa para o Estudo e Conservação do Mosaico Antigo. “Turno está a pedir a Eneias que lhe salve a vida”, diz a especialista, que já está a estudar o achado de Alter do Chão. “Há o deus Tibre, representado por um génio do rio, apoiado num vaso que deita água. Do outro lado está Vulcano, amigo da mãe de Eneias, que era Vénus, secando o rio, afrontando o génio do Tibre…”Teresa Caetano nunca tinha visto um mosaico como este. Não há, no país, nem na península, nem talvez no mundo, mais nenhum desta qualidade e neste estado de conservação. O estudo, que vai durar, pelo menos, até ao final deste ano, ainda está no início. Mas já é possível tirar algumas conclusões: o mosaico é do século IV, do império romano tardio, e pertencia a uma casa muito rica. Naquela altura, como reacção ao cristianismo que alastrava, tornaram-se moda, entre os romanos não-cristãos, os mosaicos com motivos da Ilíada, Odisseia ou Eneida. Os homens ricos e influentes do mundo romano faziam questão de ostentar uma profunda cultura clássica, e uma ligação aos valores pagãos, que consideravam superiores aos do cristianismo. Era uma demonstração de status e poder. Nada se sabe sobre o homem que mandou construir o mosaico de Abelterium, excepto que era muito rico e culto e que teria uma grande importância na cidade. O mosaico terá custado uma fortuna. Não foi feito, decerto, por um artista da região, porque não havia na península, que se saiba, uma escola com tal mestria. Mas sobre isto há várias teorias. Jorge António fala de artistas itinerantes que iam de casa em casa, com um catálogo de imagens. Teresa Caetano imagina uma espécie de “multinacional” da arte do mosaico, que teria “sucursais” em vários pontos do império. As próprias tesselas, que alguns historiadores pensavam serem feitas com materiais de cada local, parece afinal que eram produzidas numa mesma “fábrica”, e transportadas de barco para as várias regiões. Os despojos de um navio, carregado de tesselas coloridas, naufragado ao largo das Berlengas, vieram confirmar esta teoria. A maior parte dos mosaicos eram feitos por artesãos, que copiavam as imagens concebidas pelos “designers” da “multinacional”, com ligeiras adaptações. Não terá sido o caso do painel de Alter do Chão. “A riqueza de pormenores, as sombras, a musculação, a própria técnica da perspectiva” denunciam a presença de um artista. Um verdadeiro pictor imaginarius, que terá vindo expressamente de Emerita Augusta (Mérida), capital da Lusitânia, ou mesmo de Roma, para produzir a obra na casa do magnata de Abelterium. Era um mestre, que se faria pagar a peso de ouro, mas terá desenhado o que o seu cliente pediu, como era normal na época. Mais ou menos pasta vítrea, para os detalhes dos olhos, a água ou o fogo, mais uma cena mitológica, mais uma personagem, tudo isto era decidido por artista e cliente, numa discussão erudita de quem dominava os clássicos. Jorge António não duvida de que o proprietário da sua Casa da Medusa, como baptizou a domus do mosaico, era um homem culto. Entre as várias divisões que descobriu, conta-se um escritório (tablinum), o que mostra tratar-se de um intelectual. Desta divisão sai um corredor que liga aos quartos, ao peristilo – o jardim interior – e ao triclinium, ou sala de jantar, coberto pelo mosaico da Eneida. “A casa deveria ter pelo menos o dobro do tamanho do que está à vista e, provavelmente, um segundo andar”, explica Jorge António. “Era aqui que o dono recebia os seus convidados para jantar”, continua, caminhando sobre o mosaico. “Ao centro ficava a mesa e aqui, à volta, os sofás, onde as pessoas se deitavam, como é descrito no Banquete de Trimalquião, de Satiricon”, prossegue o arqueólogo municipal, que considera “urgente” continuar as escavações, e preservar os tesouros encontrados, não obstante a descoberta do mosaico ter ocorrido há um ano e meio e só agora ter sido divulgada. “Era um homem muito importante. Um aristocrata, um sacerdote. Talvez um político.”

Alter do Chão César, Virgílio, Joviano, António e o Mosaico mais Belo do Império Romano descoberto em Alter do Chão
Por Paulo Moura (texto) do Público (adaptado), 16/02/09 e retirado do Passado Curioso