Miradouro do Fragão do Corvo (Manteigas) (***)-É preciso tempo e silêncio para beber esta paisagem

Miradouro do Fragão do Corvo (Manteigas) (***)-É preciso tempo e silêncio para beber esta paisagem

O Fragão do Corvo, visto de longe, parece uma pintura chinesa. Pedregulhos arredondados misturam-se com urzes e giesta de flor branca em tufos também arredondados pelo vento. No cimo, a mão humana deixou um marco de ponta redonda. Bem assinalado na chegada às Penhas Douradas, o Fragão é um lugar sagrado para quem conhece aquelas altitudes bravias, e para quem chega é uma surpresa inesquecível.

(Em relação a geomorfologia granítica o Fragão do Corvo é um Tor- que é um nome galês que foi usado pela primeira vez em 1955 pelas investigações de Linton no Sudoeste de Inglaterra. Podemos dizer que que um Tor é uma acumulação de blocos in situ quer dizer não transportado, dispostos geometricamente, respeitando sistema de diáclases dos granitos que lhe dão origem-nota minha)

Uma vez chegados às Penhas Douradas e largado o automóvel, o caminho até lá é curto e vamos vendo o Fragão do Corvo de longe, num trilho que primeiro desce e depois sobe entre rochedos, até um varandim com um varão de ferro. A vista sobre Manteigas e o vale do Zêzere deixa-nos fundidos, dissolvidos na paisagem imensa das serranias que se sucedem. À frente, os primeiros vales, cobertos de floresta mista e terraços que conquistaram terra plana naqueles declives tão acentuados. A encosta mergulha de novo numa floresta de enormes abetos, de pseudotsugas, de cedros e pinus sylvestris, lembrando uma paisagem alpina.

Se nos virarmos para poente, uma casa às riscas brancas e vermelhas, de telhados pontiagudos rematados a rendas de madeira, observa-nos de longe do cimo dos seus pedregulhos. No Fragão do Corvo nasceu o refúgio de Afonso Costa, (na sua Vila Alzira, como homenagem a sua esposa. Foi um dos mais importantes políticos portugueses do primeiro quartel do século XX, figura tão controversa como intensa, nascido em Seia há mais de 110 anos; nota Minha).

Fragão do Corvo

Mas há ainda que procurar, entre o amontoado de pedregulhos do Fragão do Corvo, uma estreita passagem para o lado de lá das pedras, através da qual chegamos a um varandim tosco, feito de enormes calhaus agrafados que servem de banco corrido sobre as serranias que passam do verde do primeiro plano a escuro e se vão afastando em cinzentos mais leves até às serras de Espanha. É daqui que se deve ver o nascer do sol na Serra, quando o céu clareia e toma cores avermelhadas, cinzentas, conforme cada dia, e sempre diferente. A beleza da paisagem é indescritível e as neblinas marcam os vales de branco entre os cinzentos das serras.

Se os olhos ficarem por perto, logo abaixo das pedras onde nos sentamos, no fundo do vale (cerca de 800 metros abaixo) vêem-se os telhados e as ruas de Manteigas e o vento vem de baixo, rasando a floresta que cobre a encosta quase vertical. O vale do Zêzere é um vale glaciar, que cortou encostas abruptas. Manteigas cresceu virada para o vale, para sul, e deu guarida aos pastores, aos homens da montanha, a uma povoação que vive ao ritmo da serra, e onde foi instalada a sede do Parque Natural da Serra da Estrela. Aqui, como nas nascentes do Zêzere, agradece-se terem feito o parque e mantido em conservação da natureza a paisagem, não dispersando casas e fábricas, concentrando as construções na aldeia, e deixando só as casas dos pastores em pedra e colmo, os muros dos terraços de centeio ocupando, vale acima, esta beleza tão autêntica.

No Fragão do Corvo toda esta paisagem fica vermelha e verde no Outono, porque a floresta mista é composta de árvores folhosas que ficam encarnadas e de coníferas que se mantêm sempre verdes. O Inverno é muito rigoroso nas Penhas Douradas, mas fica tudo branco, como se a neve pintasse uma faixa redonda sobre as fragas arredondadas e deixasse manchas sobre os ramos e as agulhas dos abetos.

Não há bancos para ver a vista mas as pedras rudes em linha servem bem de guarda ao miradouro e de superfície para nos sentarmos. Não há lugar para comodidades e tal como em Sagres é preciso tempo e silêncio para nos enchermos desta paisagem de autêntica montanha”.

Texto de Margarida Paes publicado no Fugas.

Apesar de não exibir o Fragão do Corvo vale a pena ver este pequeno filme de homenagem a Manteigas Filme sobre paisagens urbanas de do século passado ( algumas perdidas ) realizado no âmbito da Feira Antiga em Junho de 2011, com base numa primeira selecção de fotografias do arquivo fotográfico de Miguel Esteves Gaspar de Carvalho

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>