Menir Vale Maria Pais e Sepulturas antropomórficas (Penedono)

Menir Vale Maria Pais e Sepulturas antropomórficas (Penedono)
Menir Vale Maria Pais

Menir Vale Maria Pais

Para além da Anta-capela da Nossa Senhora do Monte (**), Penedono tem um outro local de grande atracção mágico/religiosa para o seu turismo - o Menir Vale Maria Pais, rodeado de sepulturas antropomórficas e imbricadas rochas, que parecem-se concentrar em si “covinhas mágicas”.
O Menir Vale Maria Pais foi encontrado em 1991 e encontrava-se fragmentado em duas partes. É um monumento fálico, bem afeiçoado com “fossetes”, as tais Covinhas e decorado com uma representação solar radiada. Possui três metros de altura. A disposição dos motivos decorativos faz supor que originalmente medisse entre 5 a 6 metros. Este menir é um dos mais notáveis do nosso território e, a norte do rio Tejo, não encontra rival. É uma pedra mágica na paisagem. E em redor desta pedra mágica, num exemplo puro de litolatria, foram surgindo outras formas de vivenciar o transcendente: um possível santuário rupestre, da idade do Bronze ou mesmo da idade do Ferro e posteriormente uma necrópole com várias sepulturas rupestres, construídas algures entre os séculos VII e XII. Todo este espaço, tem semelhança com a Necrópole de São Gens, em Celorico da Beira, porque as sepulturas rupestres espalham-se em redor da Pedra, como se esta pela sua forma inusitada, fosse um imã de atracção telúrica e tivesse uma função psicopômbica para os nossos ancestrais dado que em seu redor foram construídas necrópoles com sepulturas antropomórficas. E pela sua espetacularidade, estas pedras ainda são motivo de atração para os turistas.

menir-do-vale-maria-pais-penedono
Os menires foram construídos e utilizados pela humanidade entre o Neolítico e Calcolítico (Idade do Cobre), na chamada Era Megalítica e tinham uma função religiosa (votiva) ainda hoje enigmática.Quase de certeza que seriam símbolos solares, atributos masculinos (existem menires que são falos perfeitos de pedra em ejaculação) e expostos à vida e ao ar; em contraponto ao ambiente reprodutor feminino recolhido, materializado pelas antas, que eram verdadeiros domicílios dos mortos ritualizadas. Provavelmente estas “pedras mágicas” seriam hipóstases do sagrado, servindo de elo de ligação entre a terra e o céu, a vida e a morte, a claridade e a escuridão
Sepulturas antropomórficas associadas ao Menir do Vale Maria Pais
Mas o post não termina aqui, porque neste ambiente também temos penedos com dezenas de sepulturas antropomórficas medievais, algumas delas parecendo verdadeiras tinas semelhantes aos do penedo maior do santuário de Panóias (***). Existe também um monólito (altar?) com degraus mal definidos e várias rochas com covinhas mágicas.
O município de Penedono (que tem feito um bom trabalho na análise e divulgação do seu património) deveria aqui efectuar um estudo exaustivo, que não seria muito oneroso e que poderia oferecer resultados interessantes. A vegetação esconde mais do que aquilo que deixa ver; não me posso esquecer que alguma desta vegetação são carvalhos…

Sepultura na pedra (2)
A bruma cerebral e a ignorância impedem-me de clarificar o pensamento; apenas sei que aqui sinto mais do que racionalizo (e logo eu, que tenho alma de cientista descarnado), no seio da magia e do sagrado do Portugal Notável.

Notas adicionais: duas fotografias foram retiradas do blog Os Meus Trilhos.

Sepultura antropormófica penedono

Please follow and like us:

2 comentários Menir Vale Maria Pais e Sepulturas antropomórficas (Penedono)

  1. Rui says:

    Muito giro e interessante.

  2. Hugo says:

    Magnifique
    Ola
    je ne connais pas du tout cette région,
    mais à voir la photo, je suppose, que cette une région riche en monument historique
    et à décourvrir sans modérations
    cordialement
    Hugo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>