Porto lidera top 10 de destinos europeus da Lonely Planet

A cidade do Porto, Património Mundial da Humanidade, está mesmo na moda, eis que agora a revista  Lonely Planet elegeu a cidade e o Douro, como o melhor destino europeu de férias.
Por Luís J. Santos, retirado do Fugas
“Uma “vibrante capital da artes” numa “pitoresca” região de vinhos. São atributos que levaram a Lonely Planet a eleger o Porto e o Vale do Douro para um top 10 de destinos na Europa que os viajantes devem visitar “agora mesmo”.
São descobertas para quem procura ir além do óbvio e das grandes cidades europeias que fazem parte dos planos da maioria de viajantes (casos da Londres pós-olímpica ou da Amesterdão majestosamente renovada). E, nesse mapa europeu dos turistas que procuram o “nível seguinte”, a Lonely Planet não tem dúvidas: o Porto é um dos dez destinos que os viajantes pelo continente europeu devem visitar “agora mesmo”.
“Outrora uma cidade ribeirinha sonolenta mais conhecida pelos seus vinhos fortificados, o Porto emergiu como uma vibrante capital das artes.” É assim que começa a apresentação do Porto e Vale do Douro no artigo publicado no site da LP. Assinado por Andy Murdock, editor digital para os EUA da célebre casa de guias de viagem, o top resulta, informam, das contribuições de “editores, autores e especialistas locais” da LP.

Porto Lonely Planet

Porto Lonely Planet

Para a eleição do Porto contribuem, particularmente, o ambiente e espaços culturais da cidade: “na vanguarda da cena artística boémia da cidade”, referem, “está a linha de galerias da rua Miguel Bombarda”, particularmente “animada durante as inaugurações simultâneas, quando novas exposições e concertos de rua criam um ambiente festivo”.
Serralves é outra joia da coroa, graças às mostras “inovadoras” do Museu de Arte Contemporânea, tal como a Casa da Música, onde a música não para durante todo o ano, “incluindo concertos ao ar livre no Verão”.
Por outro lado, “novos e celebrados restaurantes” também contribuem para o “novo panorama criativo” da cidade. Aqui, refere-se o D.O.P. do chef Rui Paula, com a sua cozinha baseada em ingredientes portugueses com um “twist” contemporâneo.
E, claro, não poderia faltar a inevitável riqueza do vinho do Porto, com as “caves históricas” a proporcionarem passeios e provas de vinhos gratuitas ou por um “valor simbólico”. O Vale do Douro é considerado o complemento ideal de uma visita à cidade. “Uma região pitoresca de socalcos íngremes” com algumas das “mais celebradas vinhas” portuguesas, com “cruzeiros fluviais e viagens panorâmicas de comboio”.
Quanto a hotéis do Porto e arredores é feita apenas uma referência e de luxo: ao The Yeatman, localizado em Gaia e com os olhos no Porto, descrito como “o melhor hotel” da área e com um restaurante que ostenta uma estrela Michelin (“vale a pena a visita mesmo que não se fique alojado”, referem).
O top da LP completa-se com Budapeste (Hungria), Norte da Islândia, Cinque Terre (Itália), Morávia (República Checa), Berna (Suíça), Marselha (França), Croácia, Irlanda do Norte, Copenhaga (Dinamarca).
Porto em alta
“São distinções como esta que aumentam a  visibilidade do destino e fazem crescer anualmente o número de visitantes estrangeiros”, comentou Helena Gonçalves, directora-executiva da Associação de Turismo do Porto, a propósito deste novo top da Lonely Planet. Citada pela Lusa, Helena Gonçalves adiantou ainda que o Turismo do Porto apoiou a equipa da Lonely Planet na actualização do seu guia referente à cidade e à região, “para breve uma ‘press trip’ para a revista Lonely Planet Traveller, com o objetivo de publicar um artigo com cerca de 10 páginas sobre a região do Porto e Norte de Portugal”.
Há poucos dias, o Porto e o Douro andavam também nas bocas do mundo graças a um artigo do jornal online “The Huffington Post” em que a região surgia destacada num top de cruzeiros fluviais na Europa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>