Praia da Bordeira e Pontal Carrapateira (Aljezur) (****)-Será esta a mais bela praia de Portugal?

Praia da Bordeira e Pontal Carrapateira (Aljezur) (****)-Será esta a mais bela praia de Portugal?

Praia da Bordeira- Bloco de Notas

-A praia da Bordeira Carrapateira é uma das mais belas de Portugal.

-O seu pontal a Sul foi candidato a uma das sete maravilhas de Portugal na categoria praias e falésias.

-Praia ampla, com parte marítima e uma parte fluvial.

-A praia da Bordeira é de grande geodiversidade.

A praia da Bordeira -Carrapateira, situada no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, no concelho de Aljezur, é uma das mais belas da Europa e está separada da praia do Amado (**) pelo pontal da Carrapateira. Este constitui uma faixa costeira de altas arribas calcárias intensamente recortadas com campos de lapiaz, pequenas grutas, leixões e foi candidato a uma das 7 maravilhas naturais de Portugal.
Apesar da localidade mais próxima ser a Carrapateira, a praia da Bordeira tomou este nome devido à ribeira que desagua no topo do sul da praia que se encosta as falésias calcárias; a Bordeira é uma pequena aldeia típica próxima da praia.
O areal da praia da Bordeira é extenso e largo, a areia é fina, as ondas são ideais para quem gosta de ligeira turbulência e de surf.


A geologia espantosa da Praia da Bordeira
Na praia da Bordeira, talvez não seja o mar a principal atração, embora este seja sempre admirável, mas sim a sua geologia.
Temos de norte para sul, xistos e grauvaques carbónicos (mais ou menos 300 milhões de anos) profundamente dobrados e interrompidos por uma admirável brecha vulcânica mesozoica. Estes xistos são sobrepostos em discordância angular por rochas sedimentares detríticas avermelhados do Grés de Silves formado no início da separação dos continentes americano e europeu no período Triássico (225-200 milhões de anos), acima deste ainda se encontra uma amarelada duna consolidada Quaternária com 1,8 milhã de anos. Aqui pode ser feito uma belíssima aula sobre a história da Terra. Depois temos então o areal edénico limitado a poente por um campo dunar a lembrar o deserto magrebino. A sul a praia da Bordeira é interrompida pela já citada ribeira que desagua neste mar maravilhoso e pelas falésias calcárias horizontalizadas numa cenografia inesquecível. Nestas existe um pequeno parque de estacionamento onde pode aceder depois a praia molhando os seus pezinhos ou mesmo o joelhinho. Também pode estacionar na localidade da Carrapateira e seguir o troço da ribeira até a praia.
A praia da Bordeira é frequentada por surfistas oriundos dos quatro cantos do mundo e por pessoas de bons prazeres que demandam por umas férias repousantes numa das mais belas praias da Europa e onde podemos curar as dores de sofrimento inúteis.

Praia da Bordeira

Praia da Bordeira

O Pontal da Carrapateira
O Pontal da Carrapateira corresponde a uma faixa costeira com arribas calcárias e margas fossilíferas horizontais do jurássico médio e superior profundamente recortadas que definem enseadas abismais a pique, em que o mar de rochas transparentes e esverdeadas embate com força na rocha.
O topo das arribas corresponde a uma superfície de abrasão marinha e está coberta parcialmente por cascalheiras de um nível de praia quaternária e dunas atuais.
No pontal da Carrapateira também pode observar os vestígios de um povoado islâmico de pescadores provavelmente sazonais.
No pequenino porto do Pontal da Carrapateira, os pescadores mais velhos costumam distrair os turistas crédulos com a lenda dos monstros marinhos. Contam que, em certos dias do ano, emergem das águas monstros marinhos capazes de jorrar água até ao céu.
A lenda não é despicienda. Terá sido infundida pelas rotas de cetáceos que por aqui passavam há algumas gerações e pelas arribas que delimitam a maioria das praias, repletas de fósseis, que remetem para o passado marinho da aldeia algarvia.

“Nos rochedos das proximidades é apanhado o famoso percebe de Vila do Bispo e é  também por aqui que se situam alguns dos mais ricos pesqueiros da região. Locais  secretos, acessíveis apenas por cordas e toscas escadas de madeira, que os  pescadores locais guardam com um zelo quase religioso”.1

Magnífica paisagem com elevada biodiversidade
O Pontal da Carrapateira apresenta habitats prioritários para conservação da natureza a nível europeu, destacando-se as dunas fixas com vegetação herbácea (“dunas cinzentas”), e formações de Cistus palhinhae em charneca marítima, espécie de flora com estatuto de ameaça vulnerável e endemismo ibérico.
Sendo zona de passagem para aves planadoras e passeriformes migradores, verifica-se todos os anos a deslocação de milhares de aves cruzando o céu, migrando entre as zonas de invernada em África e de nidificação na Europa. Estas são, entre tantas outras, o pisco-de-peito-azul , podendo-se também encontrar aves marinhas e costeiras, em trânsito migratório como o alcatraz ou aves de rapina como a águia-calçada. As falésias e arribas marítimas constituem também zona de nidificação para diversas espécies de avifauna, como o a águia pesqueira, o falcão-peregrino, o peneireiro comum e o peneireiro-das-torres.
Uma das espécies mais comuns nesta costa de arribas marítimas é a Cegonha-branca. Normalmente nidificam em árvores, prédios velhos, ou postes de eletricidade mas – em situação única no mundo – é aqui que encontrarmos os seus ninhos num aparente equilíbrio instável, mas seguros e firmes, sobre as arribas marítimas ou em rochedos junto à costa – os palheirões.

Pontal das Carrapateira
Nota pessoal na praia da Bordeira:
Dispares são os sentimentos que aqui tivemos: das primeira vez distraídos pela geologia, da segunda amarrados a solidão e na terceira um estado de plenitude total que só se abrange quando se é feliz, sabendo nós objetivamente o que isto significa.
De segunda visita ficou este poema da terceira outro estará numa fotografia do álbum fotográfico.
Solidão
Estás todo em ti, mar, e, todavia,
como sem ti estás, que solitário,
que distante, sempre, de ti mesmo!
Aberto em mil feridas, cada instante,
qual minha fronte,
tuas ondas, como os meus pensamentos,
vão e vêm, vão e vêm,
beijando-se, afastando-se,
num eterno conhecer-se,
mar, e desconhecer-se.
És tu e não o sabes,
pulsa-te o coração e não o sente…
Que plenitude de solidão, mar solitário!
Juan Ramón Jiménez, in “Diario de Un Poeta Reciencasado”

Ler mais: http://visao.sapo.pt/praia-da-bordeira-ou-carrapateira=f567511#ixzz2aUKN1siz
Tradução de José Bento


Ver mapa maior

Artigos Relacionados

Um comentário Praia da Bordeira e Pontal Carrapateira (Aljezur) (****)-Será esta a mais bela praia de Portugal?

  1. Dylan says:

    Se alguém quer fazer praia sossegado, com espaço suficiente para deitar a toalha, é em Aljezur e nas suas magníficas praias. O acesso à praia fazia-se por uma corda que acabava numa ribeira. Inesquecível!

    Boa sorte para Sábado…

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>