Praias de Vila Real de Santo António, Monte Gordo, Verde, Altura, Lota e Manta Rota (Castro Marim e Vila Real de Santo António) (**)

Mar,
Metade da minha alma é feita de maresia.
Sophia de Mello Breyner , Atlântico, p. 9
O Algarve, não negando as alarvidades cometidas em nome do turismo que possibilitaram o enriquecimento (i)lícito de muitos “patos bravos”, ao contrário do que muitos pseudo-intelectuais proclamam (é vê-los nas suas casinhas escondindinhas, em falésiasinhas recônditas) tem ainda pedaços do éden. Esta é uma praia gigantesca de areias douradas com águas cálidas e serenas, com cerca de 12 km de extensão, que se estende desde o estuário do rio Guadiana até à Ria Formosa em Cacela-a-Velha (***).
Adoro o mar, amo a praia, após as 17 horas; aquele enorme oceano, é o que mais se próxima com a definição de um Deus bom – o da alegria, liberdade, descanso, abundância, refrescamento, mas muito principalmente o de renascimento da alma humana após um mergulho. Nesta enorme faixa de areia, as praias sucedem-se: Manta Rota, Lota, Alagoa (Altura), Verde, Cabeço, Monte Gordo e de Santo António, e o que aqui nos atrai, são o mar calmo e seguro, as temperaturas mornas, da água e do ar, as areias finas e limpas (excepto na Foz do Guadiana); o que nos repele, é o excesso de gente, a desqualificação urbana (e humana), cujo expoente máximo é Monte Gordo, embora esse descomedimento ocorra apenas no mês de Agosto e na última quinzena de Julho.
Praia de Santo António (na foz do rio Guadiana)
Este rio “mágico”, que é um dos mais importantes da Península Ibérica, mereceria melhor sorte na sua fase terminal na última praia de Portugal. O rio está protegido a Oeste por um molhe de 2040 metros de comprimento, com a finalidade de o orientar e estabilizar todo o frágil ecossistema (pinhal, sapal e praia), que se estende entre Vila Real de Santo António e o mar, e ao mesmo tempo, manter a barra em condições de navegabilidade – o rio é navegável até Pomarão para barcos de pequeno calado. O acesso até à praia é complicado para os automóveis, com péssimo caminho numa via estreita e com carros estacionados à trouxe moche; é apenas aconselhável a condutores experientes e mesmo assim…é por vezes difícil, senão impossível. Felizmente foi inaugurado em 2007, um comboio turístico e o“caminho ecológico- dos Três pezinhos”, que partem de Vila Real de Santo António até à praia; esta, apesar do mar suave e cálido, apresenta muito areão, seixos e detritos, transportados pelo rio que torna a estadia desagradável.

Praia de Monte Gordo
Até Monte Gordo encontra-se um belo pinhal que é Mata Nacional a ladear a praia, relativamente bem preservada e constituída por um bosque dunar de pinheiro manso e bravo que refresca com as suas sombras este ambiente cintilante, quente e árido.
Para chegar a esta maravilhosa praia, tem que deixar o carro em Monte Gordo e caminhar pelo menos dois quilómetros a pé.
Monte Gordo foi uma antiga aldeia piscatória, teve o seu auge turístico nos anos setenta, quando quase metade da capacidade hoteleira do Algarve estava aqui concentrada. A faina piscatória ainda existe de forma artesanal. 
Agora o que existe é inenarrável, com “monstros de cimento”, dejectos e um contínuo odor nauseabundo, um parque de campismo a abarrotar- escusado será dizer que se não tiver alojamento na localidade, não consegue estacionamento e assim arrisca-se a perder um dia de praia. As noites são muito animadas, tem por exemplo um casino, com milhares de pessoas passearam nas ruas até às matinas.
Praia Verde
Depois de Monte Gordo, num areal magnífico, aqui e ali bordejado por pinhal, chegámos à Praia Verde, envolvida por pinheiros mansos, com óptimas condições: um bom aldeamento, um belo panorama para a praia, para o mar bonançoso e cristalino, e para todo este extenso areal; este raramente enche, porque esta ainda é uma praia relativamente desconhecida – um paraíso à sua espera.


Praia de Altura (Alagoa)
A praia está bem tratada devido aos vários passadiços sobrelevados, que permite observar a diferente vegetação dunar e os seus aromas: o estorno, o cardo-do-mar, o cordeirinho-das-praias, as odorosas perpétuas das areias e o lindo narciso das areias. Tem como suporte uma pequena vila que tem bastante alojamento e uma vida nocturna interessante. 
Praia da Lota
Nesta praia ainda podemos encontrar embarcações de pesca artesanal e os respectivos utensílios, lembrando-nos que este areal foi utilizado como lota. A praia é mais tranquila do que as de Altura e a da Manta Rota.
Praia da Manta Rota
Praia que foi recentemente remodelada e que assim oferece óptimas condições para os vereneantes. A vila é já um importante centro turístico e já começa a ter uma intensa vida nocturna. Infelizmente, durante o dia há sempre muita gente no areal. O campo dunar está também bem preservado com passadiços. Se continuar a caminhar para oeste chegará a areal que materializa a Península de Cacela, onde tem ínicio o Parque Natural da Ria Formosa. Este troço litoral, o de Cacela Velha (***)- um dos últimos paraísos algarvios, é um dos mais belos de Portugal.
Praia Acessível
As praias de Cabeço-Retur, Monte Gordo, Altura e Manta Rota são praias acessíveis (esta última teve um prémio este ano, sendo considerada das praias mais acessíveis). As praias acessíveis são uma iniciativa da Comissão Nacional de Coordenação para o Ano Europeu das Pessoas com Deficiência (CNCAEPD), e segundo aquela comissão, “tem como objectivo tornar acessíveis as praias portuguesas, marítimas e fluviais, às pessoas com mobilidade condicionada; sensibilizar todas as pessoas para a problemática das pessoas com mobilidade condicionada e divulgar, especialmente junto das pessoas com deficiência e idosos, as praias com acessibilidade como destino de férias”.
Créditos fotográficos
A fotografia é de Rui Ornelas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>