Solar de Almendra (Vila Nova de Foz Côa) (*)

O Solar de Almendra é um dos mais belos solares barrocos da raia portuguesa a norte do Tejo, apesar de estar incompleto e arruinado.
Uma importante família asturiana de nome Castilho adquiriu terras em Almendra e aqui se instalou. O solar de Almendra começou a construir-se em 1743, por iniciativa de Manuel António de Castilho e Távora Falcão Mendonça que era Fidalgo da Casa Real, Capitão-mor de Almendra e Castelo Melhor, mas em 1758 a construção da casa foi interrompida por ordem do Marquês de Pombal, facto provavelmente relacionado com o Processo dos Távoras. Nas paredes laterais é bem visível que o solar está incompleto. Em 1810 as tropas de Napoleão transformam a casa em quartel-general provisório e ao retirarem-se incendiaram-na, tendo ficado parcialmente destruída.
O rei Dom I Luís criou o viscondado de Banho em 1870, e a partir de 1895, por iniciativa do 3º Visconde de Banho e Almendra o solar foi parcialmente reconstruído.
Estrutura do Solar de Almendra
O Solar de Almendra é um palácio vistoso de transição entre o rococó e o barroco e onde está presente a influência de Nasoni.
É constituído por dois pisos aparelhados em granito amarelo, onde conserva austera fácies que contrasta com as belíssimas janelas barrocas (com as típicas vieiras invertidas e flores– de-lis) e com a saliente varanda com balaústres. O brasão de armas da ilustre família, enquadrado por um frontão curvilíneo, permanece em cima da varanda. Curiosamente, o brasão nunca foi devidamente terminado de esculpir; talvez por ordem de Sebastião de Carvalho e Melo.

O solar tem afinidades com a Casa do Cabo em São João da Pesqueira (*), a Casa de Nossa Senhora Conceição em Cedovim e a Casa Grande em Freixo de Numão (*).
Outros motivos de interesse para visitar Almendra
Almendra é terra bonita que vale a pena ser visitada, não só durante a floração das amendoeiras, mas em qualquer época do ano. Aqui vale a pena conhecer a Igreja Matriz, que é um templo fortaleza construída no século XVI, a capela da Misericórdia, a Casa dos Bordalos, o pelourinho (séc. XVI), a Casa da Câmara e a Fonte Grande. Outro local de interesse é o Santuário de Nossa Senhora do Campo, com o seu parque de merendas.
Falar do património de Almendra, é também falar numa estrada notável que toma o caminho da estação de caminho de ferro desactivada junto ao rio Douro. A estrada passa pelo monte da mítica Calábria, em redor da qual fazem hoje o celebérrimo Barca Velha na Quinta da Leda, a magnífica paisagem sobre o Douro ou a floração das amendoeiras…mas isto são contas para outro rosário.
Como nota curiosa acrescento que em Almendra viveu Francisco José Viegas vencedor Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE) 2005, com o seu Longe de Manaus.

8 comentários Solar de Almendra (Vila Nova de Foz Côa) (*)

  1. moutinho says:

    Almendra terrea de sonho!
    terre da minha infância

  2. Dylan says:

    Caro Castela,
    O meu sogro nasceu em Almendra. Claro que já fui à Estação de Almendra, claro que fui à Nª. Srª. do Campo. Mando o limk da foto qu lá tirei e podes fazer um artigo, se assim o desejares:
    http://fotos.sapo.pt/cY96nvsK1fPnMBb9nwuI
    Sei pouco do Solar do Visconde e é triste ver o seu destino a desvanecer-se.
    Continua esse bom trabalho na divulgação do nosso património.

  3. Dylan says:

    Acreditas que dormi a escassos metros do solar?
    Almendra pertence à minha vida e da minha família.

  4. Joana de Saraiva says:

    Tudo aquilo que é realmente história fica em pé para sempre!

  5. Paulo Ferreira says:

    Bonito ler estas palavras sobre a terra onde passei a fase mais bonita da minha vida!!!!!! Vida de estudante. Quanto ao palácio, conheço-o bem, infelizmente só por fora.

    A todos que vão ler estas palavras sobre Almendra, convido-os a passarem r lá, vale mesmo a pena!!!!! Sou suspeito!!!!! Mas é verdade!!!!!

    Abraco

  6. José Peixoto says:

    Caríssimos!

    Gostei muito de ver as imagens da vossa terra que na minha próxima viagem a Vila Real onde tenho família não deixarei de visitar. Qual a data aproximada destas imagens? Estou a investigar e quando lá for irei mais informado…

    Estarei em presença de mais uma das desgraças assinadas por D. José I,
    embora da responsabilidade do nosso caríssimo marquês? É possível… veremos.

    O mais cobarde dos nossos reis, dirigido pelo mais corajoso dos nossos 1ºs ministros aniquilou muitas famílias lá para o norte do reino… algumas mereceram, outras não, veremos também…

  7. Castela says:

    Caro José Peixoto, a fotografia deve ser de 2006 ou 2007. Sim o Marquês foi aquilo que fui, mas pelo menos uniu-se aos mais fracos e afrontou os privilegiados; aliás é isto que tem em comum com Dom João II. Curiosamente foram dois dos maiores governantes de Portugal.
    Uma boa viagem!

  8. Artur de Carvalho says:

    Pedia alguma informação se fosse possível sobre a Família Castilho principalmente sobre Artur Saraiva de Castilho Eng. Agrónomo nascimento/falecimento e família
    Muito Obrigado
    Artur Carvalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>