Torre de Centum Cellas (Belmonte) (**)-Incas ou Judeus Sefarditas na Beira Interior???

Torre de Centum Cellas (Belmonte)

Sabia que…a Torre de Centum Cellas, perto de Belmonte, foi durante anos a fio considerado um dos mais enigmáticos monumentos portugueses?
A Torre de Centum Cellas é um espaço único em toda a Península Ibérica com uma monumentalidade invulgar.
Com a sua forma paralelepipédica, os seus silhares bem aparelhados e a sua altura assinalável, o edifício tem sido alvo de muitas elucubrações especulativas; desde ser construído por Incas até à construção por judeus sefarditas (os mesmos que construíram Petra na Jordânia) e isto em plena Beira Interior!
Mas quase sempre os estudiosos associaram a Torre de Centum Cellas a uma edificação romana o que se veio a comprovar pelas escavações efectuadas por Helena Frade.
A Estrutura da Torre de Centum Cellas
A construção em cantaria granítica tem secção rectangular de 11,5 m por 8,5 m com 12 m de altura. Com três pisos e encontra-se hoje sem cobertura.
No andar térreo rasgam-se vãos rectangulares, que deveriam ter sido portas, e pequenas aberturas rectangulares, de difícil interpretação.
Hoje sabe-se que não foi uma mansio (estação de muda), um praetorium (o ponto nevrálgico de um acampamento militar romano) ou um mutatio (albergaria); já no século XII ela aparece na documentação com o curioso nome de cento celas, ou seja cem celas o que mostra que para além da torre poderiam existir mais edificações devidamente organizadas
O que terá sido então a Torre de Centum Cellas?
Temos a certeza terá sido um importante espaço de uma villa romana, rematando-a a sudoeste a ladear e a servir um grande pátio central. Até sabemos quem possivelmente a construiu –Lucius Caecelius (não ressoa aqui o topónimo Centum Cellas?) no século I d.C. rico negociante de estanho.

A parte da villa escavada inclui a residência do proprietário e algumas dispensas e armazéns; terão existido umas termas e o alojamento para escravos, que poderá ter sido perdido com a construção da estrada ou de uma vinha contígua. Temos ainda hoje, vestígios de uma sala com abside e larário ou altar de veneração dos deuses Lares protectores da casa.
A torre possuía um piso térreo, eventualmente destinadas a funções de armazenamento, com aberturas amplas, e um piso superior, onde se situava uma sala única, rodeada por uma varanda com cobertura em madeira e telha assente sobre colunas da ordem toscana, coberto por um telhado de duas águas, possuía em dois dos seus lados uma cimalha em frontão triangular, o que lhe conferia ainda maior monumentalidade e beleza.
Todo o conjunto sofreu um incêndio no século III d. C., que poderão ter originado modificações diversas, especialmente na área da villa menos resistente.
Na Alta Idade Média a torre foi aproveitada e prolongada, construindo-se um terceiro piso com fachada regular também de boa silharia com pedras de pequena dimensão.


É possível que no período medieval a torre de Centum Cellas tenha tido algum papel na consolidação e defesa da fronteira oriental do reino de Portugal com o de Leão; tendo inclusivamente recebido foral de Sancho I em 1188, onde surge referenciada como Centuncelli. Em 1198 a sede do concelho foi transferida para Belmonte.
Qual a função da Torre de Centum Cellas?
A geometria vitruviana presente não deixa aqui de impressionar pela sua robustez, verticalidade, equilíbrio esfíngico, fazendo de facto relembrar monumentos distantes do próximo Oriente ou da América Latina de gosto Inca ou Azteca.
Durante o domínio romano a torre poderia ter sido uma utilitária -torre de vigia e/ou simples salão nobre de estar, marca estética e de poder; hipótese mais remota é estar ligada a um espaço sagrado uma vez que a sua orientação é peculiar -com os ângulos dos seus cantos  dirigidos para os pontos cardeais. Quer isto dizer que nos períodos de solstício as aberturas maiores deixavam entrar a luz com maior generosidade, o que parece concordar com o seu insólito ar de observatório astronómico.
Lenda de São Cornélio de Centum Cellas
Segundo a tradição a torre seria uma prisão, tendo sido aqui que esteve encarcerado São Cornélio, que morreu em 253 d.C., devendo-se o nome do espaço as cem celas que nele existiriam. É certo que esta lenda não passa de fantasia, no entanto, o espaço foi cristianizado na Idade Média com uma pequena capela, de que ainda existem as fundações e que desapareceu no século XVII, dedicada a… São Cornélio.

Também se diz que quem fez a Torre de Centum Cellas foi uma mulher com um filho às costas. Também se dizia que na Torre de Centum Cellas havia um bezerro de ouro escondido.

E o mistério dissipou-se na Torre de Centum Cellas?
Apesar do seu ar enigmático ter sido em parte dissipado pela voragem da Ciência este monumento inédito na Ibéria, pela sua estranheza, pela sua dimensão e monumentalidade – e porque não dizer também – pela sua beleza, merece a nossa visita.
Pessoalmente penso que foi importante o estudo arqueológico do local, apesar do seu ar enigmático ter sido em parte dissipado pela voragem da Ciência. No entanto conheço muita gente que gostaria de manter a sua fantasia romântica em redor da Torre de Centum Cellas; e o leitor o que pensa desta controvérsia?
Este importante monumento romano, inédito na Ibéria, pela sua estranheza, pela sua dimensão e monumentalidade – e porque não dizer também – pela sua beleza, merece a nossa visita.
Nota: A fotografia da página principal foi retirada do site da Arqueobeira.

Artigos Relacionados

6 comentários Torre de Centum Cellas (Belmonte) (**)-Incas ou Judeus Sefarditas na Beira Interior???

  1. Alexandre Fernandes says:

    Colossal e padoxal. Os estilos , o tempo , os arquétipos permitem umaleitura invulgar de un edificio “astonished” e de visita obrigatória. Permissa indelével de maturidade no tempo em sintonia com o presente histórico.

  2. Paulo says:

    Simplesmente FANTASTICA esta torre. Deveria ser mais falada internacionalmente!

  3. maria helena says:

    Nunca tinha ouvido falar desta torre. É estranhoa que ignoremos a existência de tantos monumentos e tantos espaços que de vez em quando descobrimos em Portugal… Gostei imenso, mas é obrigatório darem a conhecer Portugal

  4. Anttónio Silva says:

    CURIOSO:
    Há espaços antigos onde, diz uma lenda, existe um objecto de ouro.
    Na casa de meus bisavós e onde vivi, havia uma grade de dentes de ouro, numa loja de lagar. Quanto cavei eu, com os meus 13/15 anos na procura do metal. Junto ao rio havia a lenda de uma moura encantada, e, dizia-se que quem a visse, ou por ela fosse visto, desapareceria para sempre com a mesma.
    Como o local era de difícil acesso, poucos se aventuravam a ver se era verdade. Lenda é sempre lenda. Mas há lendas muito bonitas.
    Em meados de Maio, irei pessoalmente ver no local esta beleza. Nunca é demais o conhecimento pessoal e local, para quem puder.

    • Castela says:

      Caro António, algumas dessas lendas são verdadeiros arquétipos, pois repetem-se regionalmente ou mesmo nacionalmente e uma lenda, grande parte das vezes não é apenas uma lenda, é quase um mito que se faz estória (história) e por isso devemos leva-los muito a sério, porque dão pistas muito importantes sobre os sítios. Boa Viajem e aproveite ainda para ir a Belmonte, Sortelha, Vilar Maior, Ponte de Sequeiros, Castelo Mendo…

  5. GILBERTO KAMINSKI says:

    Nada igual a essa ruínas , muito ingmáticas sem pistas de quem as construiu ou para que foram destinadas ,
    Passei horas examinando , fotografando ou filmando , mas não pude de forma alguma encontrar o significado de uma construção de 03 andares, quase tão moderna como nos dias de hoje para os pre´fabricados.
    Acho que só grandes escavações ao redor das ruinas poderá fornecer novas pistas mais confiaveis .
    Gillberto Kaminski

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>