Vale da Vilariça (Torre de Moncorvo) (**)

O Vale da Vilariça tem uma área aproximada de 34.000 hectares, constituindo uma pequena planície aluvionar de 5000 hectares, da ribeira que lhe dá o nome, e que nasce a cerca de 25 kms na Serra de Bornes.
O Vale da Vilariça corresponde a uma mega fractura activa, que atravessa o distrito de Bragança no sentido N/S, provinda da Galiza e que se prolonga pelo distrito da Guarda. Esta falha alargou-se no curso inferior do rio Sabor e na ribeira da Vilariça. É esta grande estrutura que obriga o Douro a dar um meandro caprichoso na Quinta Vale de Meão (a quinta que a uns anos atrás produzia o vinho tinto mais famoso de Portugal (o Barca Velha) (*).
A Rebofa do Vale da Vilariça
Quando o caudal do rio Douro é maior, impede as águas de rio Sabor de desaguar naquele. É o refluxo do rio Sabor que possibilita a sedimentação de nutrientes no fundo do vale tornando-o muito fértil- é a rebofa. A regularização do curso do Douro, primeiro com o rompimento do Cachão da Valeira no final do século XVIII e mais recentemente com a construção de barragens, tem vindo a diminuir a intensidade das rebofas do passado.
O Vale da Vilariça tem grande produtividade agrícola
Durante séculos a cultura do cânhamo dominou o vale da Vilariça, decrescendo a sua importância após meados do século XVIII, com o encerramento da Real Feitoria dos linhos cânhamos e com o desenvolvimento da cultura da seda. A partir daí são as culturas cerealíferas e hortícolas em regime intensivo que ocupam as atenções dos lavradores da veiga.

São famosos, apesar de cada vez mais esquecidos, os melões, «Carrasco» e «Lagarto», variedades regionais oriundas do Vale. 
Embora aqui ou ali se vejam alguns tractos de vinha, esta espalha-se mais- tal como as amendoeiras, as oliveiras e as laranjeiras- pelas encostas que ladeiam o vale. A produtividade das terras da Vilariça é notável, permitindo o desafogo financeiro das populações do Concelho de Torre de Moncorvo.
Grande riqueza arqueológica nas escarpas adjacentes ao Vale da Vilariça
As escarpas graníticas vigorosas delimitam o Vale da Vilariça e no seu topo, em cabeços, implantaram-se vários povoados pré-históricos: Baldoeiro (*), Santa Cruz da Derruída, Castelo da Mina, Senhora do Castelo na Adeganha (*), todos eles ricos em vestígios arqueológicos. Destes “castros”, por vezes inacessíveis ao vulgar turista, colhem-se belas visões panorâmicas do vale, com o amplo xadrez geométrico dos seus campos verdejantes.
Mas há um grande senão nesta beleza. Nos dias quentes de Verão o calor húmido torna-se insuportável, e as sombras não abundam. A insalubridade do estio no passado deve ter provocado a demanda das populações destes povoados abandonados; isto também pode explicar que a população de Santa Cruz da Derruída se tenha mudado, e fundado outra localidade, na Idade Média -Torre de Moncorvo – mais defendida das sezões.
Na foz deste vale, defronte ao Monte de Meão, meandra o vasto Douro, num lençol de água que nos faz esquecer da nossa existência e que nos arrasta para uma estranha melancolia; partamos daqui com a certeza que esta depressão, é um oásis de verdura e de fertilidade no ressequido e descarnado Trás-os-montes. É um dos belos rincões de Portugal.

Artigos Relacionados

3 comentários Vale da Vilariça (Torre de Moncorvo) (**)

  1. Natália says:

    Amigo,
    Habitei em Macedo de Cavaleiros, durante cerca de três anos, sendo funcionária da Seg. Social na Casa do Povo, este meu viver nesta Vila, foi uma das etapas da minha Vida que recordo com mais saudade, gente boa aquela! Quanto ao vale é belo, o meu marido estava na construção das barragens da Burga, do Salgueiro e também na de Alfandega da Fé.
    Dá sempre vontade de voltar.
    Um abraço
    Natalia

  2. Jorge Delfim says:

    Vale da Vilariça no seu esplendor
    É de uma beleza esplêndida o vale da Vilariça.
    Todos os dias atravesso esse vale.

  3. Smithe854 says:

    Today, I went to the beach front with my kids. debefbaeeeccaedd

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>