Vale do Tua (Carrazeda de Ansiães e Alijó) (***) – vamos deixar que destruam esta maravilha natural de Portugal (1ªparte) ?

O vale do Tua é nosso!

É no granito na sua parte terminal que o vale do Tua adquire a sua máxima beleza devido a garganta selvagem que o rio talhou com o tempo e a água, os dois maiores modeladores naturais; um povo com tal riqueza, deve ser grato, prestar homenagem e defende-la a todo o preço. Mas eis que surge a ameaça da sua destruição movida pelo poder do dinheiro e ditadura partidária em que estamos subjugados. Pela parte que nos calha tudo faremos, para que tal não aconteça e estaremos envolvidos em todas as acções, sempre que nos for disponível. Estes artigos são apenas uma ínfima contribuição para a salvação do vale do Tua.

Tenho sincero apreço por Francisco José Viegas, pela sua relevância na divulgação literária e sempre o tive como pessoa de bem. Torna-se óbvio que o senhor Secretário do Estado da cultura tem duas hipóteses em relação ao vale do Tua:
-luta até ao fim e dá mostras da sua contenda na comunicação social e no governo sucedendo mesmo ser demitido, fazendo desta causa um importante factor pessoal – e eleva-se como ser humano;
-ou então cai no descrédito absoluto como pessoa que está vendida aos piratas do costume e merecerá o nosso desprezo. Eis o que o ainda benigno Francisco escreveu sobre a Barragem propósito do filme Pare, escute e Olhe, mais palavras para quê?
“Não é só um retrato da linha do Tua como também uma reflexão acerca das últimas 3 décadas da história de Trás-os-Montes. Gostaria de salientar uma cena do filme, em que Trás-os-Montes é comparado com uma região rural da Suiça. Numa vêem-se os campos vazios e os comboios às moscas apesar da paisagem lindíssima, noutra vêem-se os campos cheios de macieiras (com emigrantes portugueses na Suíça a apanhar maçãs), e os comboios cheios de turistas a desfrutar da paisagem igualmente lindíssima. Qual dos investimentos terá um impacto mais profundo numa região rural: A agricultura/turismo ou uma barragem?
O IGESPAR acha que a Linha do Tua não tem relevância cultural enquanto património a classificar. Ou seja, não possui “valor arqueológico, arquitectónico, artístico, científico ou tecnológico e industrial”. Provavelmente, há alguma razão nos seus argumentos. Uma parte dela ficará debaixo de água quando a EDP construir uma barragem na foz do Tua com o Douro. O IGESPAR pode decidir e dar pareceres sobre o assunto – mas devia providenciar para que não desaparecesse uma das mais belas paisagens portuguesas – que pudesse ser vista e a comover os seus visitantes. A paisagem (a do Tua incluída) é um dos mais importantes patrimónios portugueses. O betão, as auto-estradas e as barragens têm vindo a destruí-la. Os portugueses acham que a paisagem é coisa de doidos que não vivem neste mundo; o mundo deles é uma paranóia”1

1-Francisco José Viegas … antes de ser Secretario de Estado da Cultura
Ler – Livros & Leitores, nº 97 – Dezembro de 2010, p. 27
Alguns textos na internet sobre a importância do Vale do Tua
http://ogalaico.blogspot.com/2011/03/paisagem-miguel-torga.html

http://www.linhadotua.net/3w/index.php

http://alinhaetua.blogspot.com/

Créditos fotográficos de Mick Pt.

Please follow and like us:

2 comentários Vale do Tua (Carrazeda de Ansiães e Alijó) (***) – vamos deixar que destruam esta maravilha natural de Portugal (1ªparte) ?

  1. Obrigado:Não destruam a Linha do Tua,RAINHA DAS LINHAS DE PORTUGAL.È uma via de utilidade pública,que serve trinta e quatro povoações duma zona pobre do interior.O Snr Mexia já tem 166 barragens,ainda não chegam para iluminar Portugal?Os rios de Portugal ´ja devem ter morrido todos afogados pelas barragens da EDP|As linhas de via reduzida eram á anos Património do Estado,eram intocáveis,agora já são afogadas pela barragem assassina da EDP.Por este andar qualquer dia afogam a estação de Lisboa Rossio.Já no século vinte e um afogar 16km duma linha férrea,de utilidade pública do interior de Portugal,sem os criminosos irem a tribunal.Apenas por oitocentas e setenta horas de trabalho extraordinário levei duas vezes a tribunal do trabalho o Dir da CP Eng Alfredo Garcia.Como seria se a barragem fizesse o mesmo a 16km de uma auto estrada?Construiram auto estradas a mais ao lado das grandes linhas,mataram quasi todas e encerraram 800km as mais rentáveis,á uns trinta anos.O ALENTEJO CELEIRO DE PORTUGAL SEM COMBÒIOS.A EDP deve baixar a cota da barragem,para não afogar a linha do Tua de utilidade pública com mais de cem anos.È o transporte do nosso bom povo do interior de Portugal.O COMBÒIO È O TRANSPORTE TERRESTRE,MAIS SEGURO,CÒMODO,RÀPIDO E ECONÒMICO NO MUNDO PARA O `TERCEIRO MILÈNIO.A VIDA DUM PASSAGEIRO NÃO TEM PREÇO.Ex chefe de estação e de combóios na Estrela de Èvora.Mauricio Arrais.Abrantes.15/2/2012.

  2. Uma idéia para a EDP,construir a barragem com uma cota inferior,e não destruir os 16km da linha do Tua.Em vez duma central eletrica,construir a maior moagem da Europa ou do Mundo.Como as moagens trabalham a eletrecidade,a do rio Tua trabalhava a água.Esta moagem não precisava de central eletrica,trabalhava diretamente com água.Ai Mexia,Mexia,Mexia!Mauricio Arrais.Abrantes.29/2/2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>